Política

Loading...

ACESSOS

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

TJDF: Distrital Benedito Domingos é condenado por improbidade administrativa

O distrital foi condenado em segunda instância por envolvimento no esquema de corrupção investigado pela Operação 'Caixa de Pandora'. 
 
O deputado distrital Benedito Domingos (PP) foi condenado em segunda instância por envolvimento no esquema de corrupção investigado pela Operação Caixa de Pandora em 2009. Na tarde desta quarta-feira (20/8), a 5ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT), por maioria, considerou o deputado culpado por crime de improbidade administrativa por ter recebido dinheiro para levar a estrutura de seu partido a apoiar o governo. 
 
O relator do caso e o vogal, desembargadores Luciano Moreira Vasconcelos e Sandoval Gomes de Oliveira, votaram pela condenação e o revisor, desembargador Sebastião Coelho, votou pela absolvição. O julgamento foi iniciado no fim de julho e estava empatado em 1 a 1, quando Sandoval Gomes pediu vistas. 
 
Fonte: Por Almiro Marcos - Correio Braziliense / Portal Gama Livre.

Raimundo Ribeiro - PSDB 45678

video

Neste eu confio, Raimundo Ribeiro. Cidadão 'FICHA LIMPA' 100%, porém não basta só ser 'Ficha LIMPA' tem de ter propostas e realizações: Ex-secretário na Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do Distrito Federal com vários projetos realizados: Regularização dos Quiosques, Regularização dos Condomínios. Como Deputado Distrital: Lei do Material Escolar, Lei dos Medicamentos, Lei dos Apenados e Estágio de Menores Infratores, etc...'ESTE TRABALHA' - PSDB 45678. Informando e Detonando

Opinião: Manipulação de votos no CBMDF

Um grupo vem apresentando uma proposta inovadora no CBMDF, uma pesquisa de opinião para deputado distrital e deputado federal, o que eles não sabem e que tal atitude já foi articulada há mais de 18 anos no corpo de Bombeiros do DF e que não teve êxito.

A proposta tem o intuito de juntar todos os votos em um único candidato do Corpo de Bombeiros, o que será muito improvável de acontecer, notando que todos os inscritos na pesquisa já são candidatos por partidos diferentes, e que não abrirão mão de sua candidatura para apoiar o vencedor.

A de se observa que alguns candidatos fazem parte ate da atual base do governo do Distrito Federal. O questionamento levantado e a confiabilidade da pesquisa de opinião, que e realizada somente com o pesquisador e eleitor, o candidato em hipótese alguma poderá está presente no local, o que não aconteceu no pleito realizado pelo grupo, notarialmente em fotos podemos observar a manipulação de votos pela boca de urna no momento da votação, o que vem desqualificar por inteiro o pleito.

Além do que, a pesquisa é realizada com uma lista de nomes ou apenas perguntas, e não com cédula para votação, (tá parecendo até eleição para ver quem vai ser o síndico). 

Outro problema e que a pesquisa compõe apenas de candidatos que se inscreveram para participar, a meu ver isso chama-se direcionamento de votos, pois como uma pesquisa eleitoral consta apenas 8 candidatos de um grupo de 33 candidatos do CBMDF, sendo assim a pesquisa deveria conter todos os candidatos do CBMDF.

Agora fica a pergunta: Os Bombeiros de Brasília aceitarão essa manipulação?

Fonte: Informando e Detonando.

Celina Leão critica tratamento de auditores com taxistas do DF

A deputada Celina Leão (PDT) ocupou a tribuna da Câmara Legislativa para criticar a atuação de uma subsecretaria criada na Secretaria de Transportes para cuidar dos taxistas. Segundo a distrital, a categoria tem reclamado da forma como estão sendo feitas as abordagens e do tratamento "grosseiro". Ela pediu que a pasta analise a forma como os auditores estão tratando os taxistas.

“A categoria merece o nosso respeito são, em sua maioria, homens de meia idade. São pequenas coisas que fazem a diferença na vida das pessoas, educação cabe em qualquer lugar”, considerou Celina.

A deputada também criticou o governo do DF por ter reajustado as corridas de táxi em 10%, ao mesmo tempo em que aumentou o valor das multas dos taxistas em 100%. "É uma incoerência, vamos apresentar um projeto de Decreto Legislativo para sustar os efeitos deste reajuste nas multas", ressaltou.

A parlamentar, também observou que tem que haver concorrência para os cursos obrigatórios ao taxista. “Os cursos são ministrados apenas pelo SEST/SENAT, estamos propondo uma legislação para que as auto-escolas também possam ministrar o curso, ampliando as possibilidades de horário para os taxistas”, anunciou a deputada.

Fonte: Ascom da Deputada Distrital Celina Leão por Irene Oliveira.

DF: TSE recebe recurso de Arruda contra impugnação

O Tribunal Superior Eleitoral do DF recebeu hoje (20) o recurso de José Roberto Arruda contra a impugnação de sua candidatura.

Na semana passada, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) barrou o registro do ex-governador com base na Lei da Ficha Limpa. Enquanto couber recurso, Arruda segue na disputa e pode fazer campanha normalmente.

Arruda foi condenado por improbidade administrativa em 9 de julho. Mas, cinco dias antes, ele já havia protocolado o pedido de registro. A defesa alega que a candidatura do representante do PR está amparada pela legislação.

O Ministério Público tenta barrar a participação de Arruda nestas eleições. A Ministra Luciana Lóssio foi sorteada como relatora do processo.

Fonte: Coluna Eixo Capital.

Perdendo voto

Começou ontem o programa eleitoral gratuito no rádio e na TV. Mas há muito a campanha vinha tomando conta das redes sociais.

É justamente neste ponto que internautas estão migrando para redes ainda desconhecidas. O motivo é que candidatos estão entupindo as caixas de e-mails e a time line daqueles que querem distância da propaganda eleitoral. 

Com isso, ao invés de angariar simpatia, os candidatos estão arregimentando um exército disposto a fazer justamente o contrário. 

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Cuidando com carinho 'Eunício Oliveira & Lula'

Lula não perde o instinto político. Eunício Oliveira foi convidado para fazer parte da comitiva da Dilma Rousseff e Lula no Recife, domingo.

Na base aérea encontrou o ex-presidente e, juntos, recepcionaram a Dilma. Lula chamou Eunício de lado e disse que está acompanhando as pesquisas no Ceará, tanto para o governo do estado, quanto para presidente, deixando escapar que está satisfeito com o desempenho dos dois.

Eunício disse a Lula que não se preocupasse, pois o PMDB vai dar a vitória à ela no Ceará.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Vice do Sul 'Beto Albuquerque'

No Rio Grande do Sul, o PMDB como em todo país estava dividido em três. Um parte vai de Dilma e Temer, outra de Aécio Neves e outra com Eduardo Campos.

Acontece que, com a saída trágica de Campos da disputa, peemedebistas que o acompanhava já sinalizaram que tendem a migrar para o palanque da presidente Dilma Rousseff, mesmo com Pedro Simon apoiando incondicionalmente a amiga Marina.

Diante esse cenário, Beto Albuquerque assumi hoje a vice na chapa pessebista, agora só falta convencer Pedro Simon, diga se de passagem, reserva moral do Congresso Nacional, a dar sua cota e assumir a candidatura ao Senado pela chapa.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Sem palanque: Marina descarta campanha com PSDB em São Paulo e Paraná

A ideia é que ela faça campanha autônoma, descasada dos dois tucanos, e transfira aos dirigentes regionais do PSB a agenda conjunta.

A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, impôs restrições a alguns dos acordos regionais costurados com o PSDB por Eduardo Campos, seu antecessor na cabeça de chapa morto na quarta-feira da semana passada após a queda de seu avião em Santos, no litoral paulista. 

Dos 14 palanques estaduais que Campos articulou para sua campanha, Marina e seus aliados da Rede - partido que tentou criar sem sucesso no ano passado - decidiram que pretendem ficar longe de pelo menos dois: São Paulo, com Geraldo Alckmin, e Paraná, com Beto Richa. A ideia é que ela faça campanha autônoma, descasada dos dois tucanos, e transfira aos dirigentes regionais do PSB a agenda conjunta.

Ficará permitido apenas que os candidatos a deputado federal e estadual utilizem material de campanha com imagens suas com os dois tucanos.

A premissa parte do pressuposto de que nesses locais estão sendo respeitadas as condições anteriores à morte de Campos.

Marina, que será oficializada nesta quarta-feira, 20, como candidata do partido, foi contrária às duas alianças e comunicou isso ao então candidato, que compreendeu sua posição. Tanto que nos locais em que ela não se opôs, como com a candidatura do tucano Paulo Bauer (PSDB) em Santa Catarina ou de Lindbergh Farias (PT) no Rio, a Rede aceita a campanha conjunta.

'Liberdade'

Um dos principais aliados de Marina e um dos fundadores da Rede, o deputado federal Alfredo Sirkis (PSB/RJ) foi o que defendeu ontem mais explicitamente esse formato. Ele exemplificou que o próprio Campos não teve agenda com Alckmin nem com Richa. "Ela (Marina) tem que ter a liberdade de transitar de uma forma mais ampla do que os acordos regionais", afirmou ele, em entrevista após a missa de sétimo dia em homenagem a Campos e aos demais mortos no desastre aéreo.

Para ele, a situação do Rio "é muito peculiar" porque ela tem boa aceitação no Estado e consegue se impor independentemente do cenário regional. "A potencialidade da Marina no Rio é gigantesca, ela teve 31% no primeiro turno (em 2010) e eu acho que ela pode crescer muito mais do que isso", afirmou.

O PSB concorda com essa linha de atuação. O líder do PSB no Senado e candidato ao governo do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirmou que o partido não vai criar situações de desconforto para a ex-ministra Marina Silva nos palanques estaduais onde houve problemas na formação de alianças. "Alianças conjuntas só acontecem quando os candidatos se sentem confortáveis", disse. "Marina fará campanha com o partido. Não vamos obrigá-la a fazer algo que ela não se sinta à vontade."

Documento

O PSB vai entregar hoje a Marina um documento com todos os acordos firmados por Campos, mas pretende dar liberdade para atuar sobre eles. O presidente da legenda, Roberto Amaral, disse que o texto procura resguardar acordos, mas não pode ser encarado como uma condicionante para Marina. "Não há nenhuma carta de compromissos. Vamos conversar com ela sobre as novas condições que surgiram com a morte de Eduardo", disse Amaral, para quem, apesar das discordâncias de Marina, não é possível desfazer os acordos regionais.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Revista ISTOÉ.

Eleições: Agnelo e Arruda viram alvos no primeiro debate

Na Band. Encontro entre candidatos ao GDF foi marcado por troca de criticas, de ‘apagão na gestão’ a ‘ficha suja’, e poucas propostas

 
As duas horas de duração do primeiro debate televisionado com os candidatos ao governo do DF, organizado pelo Grupo Bandeirantes e transmitido pela Band e pela Band News FM, foram marcadas por troca de acusações e poucas propostas. Os principais alvos foram o governador Agnelo Queiroz (PT), criticado por suposta ineficiência na gestão, e o ex-governador José Roberto Arruda (PR), chamado de “ficha suja” pelo candidato Toninho do PSOL. Também houve críticas de Agnelo dirigidas ao candidato do PSDB, Luiz Pitiman, e ao candidato do PSB, Rodrigo Rollemberg.

No primeiro bloco, os cinco candidatos responderam à pergunta: “Qual será sua primeira medida como governador do DF?”. Primeiro a responder, o governador Agnelo Queiroz disse que em 1o de janeiro de 2015, estará na rua trabalhando, visitando as obras que iniciou. “O DF estará muito melhor do que aquele que eu recebi em 1o de janeiro de 2011.”

Segundo a responder, José Roberto Arruda anunciou o tom que seguiria dali para frente: “Quatro anos atrás fui tirado do governo, preso, humilhado e, graças a Deus, estou aqui para dar as explicações necessárias e resgatar minha dignidade. Retomarei meu governo, de obras, que foi interrompido por um golpe.”

Rodrigo Rollemberg prometeu mandar um conjunto de propostas à Câmara Distrital para tornar o governo do DF mais transparente. “Vamos criar um conselho formado por pessoas da sociedade civil para fiscalizar as contas públicas”, afirmou. Toninho do Psol foi na mesma linha de Pitiman e prometeu auditoria nas contas públicas, inclusive nas contas para a construção do estádio Mane Garrincha. Luiz Pitiman prometeu reduzir o número de secretarias e cargos comissionados. 

Hora do ataque 

O debate esquentou no segundo bloco, quando foram feitas as perguntas de candidato para candidato. Toninho do Psol escolheu Arruda para fazer sua primeira pergunta e o tema da impugnação da campanha foi retomado. “Por que sua insistência em se candidatar depois de envergonhar os eleitores do DF?” A resposta de Arruda foi: “É melhor decidir qual é o seu lugar: jogador ou juiz. Quem vai decidir sobre minha candidatura é a Justiça, a Justiça é soberana”.

O segundo bloco também foi marcado por troca de acusações entre Agnelo Queiroz e Rodrigo Rollemberg. A provocação veio de Rollemberg, que escolheu perguntar a Agnelo: “O senhor está novamente prometendo ampliar o Metrô, mas não construiu nem sequer um quilômetro. Como o senhor quer que a população acredite?” Agnelo optou por valorizar a troca da frota de ônibus do DF e os investimentos feitos no Expresso DF. Na réplica, Rollemberg classificou o governo de “apagão de gestão”. O governador, então, revidou: “O senhor passou quatro anos no Senado e um dos únicos projetos que apresentou foi para passar recursos do Orçamento do DF para o Entorno”. 

Dobradinha 

O terceiro bloco foi uma prévia de possíveis alianças para o segundo turno - Arruda e Pitiman trocaram perguntas amistosas que tinham como objetivo atacar a gestão do atual governador. A comunhão entre os dois culminou com gargalhadas da plateia depois de José Roberto Arruda convidar Luiz Pitiman para trabalhar em um eventual futuro governo.

Em pergunta a Agnelo, Rollemberg lembrou casos de corrupção envolvendo administradores regionais. Em sua resposta, o governador lembrou a atuação da Polícia Civil nos casos e também a criação da Secretaria de Transparência. Em sua última intervenção, Toninho do Psol lembrou que Rollemberg e Pitiman haviam participado do governo Agnelo.

No quarto bloco, os candidatos responderam perguntas dos veículos de comunicação do Grupo Bandeirantes sobre os temas: saúde, educação, segurança pública, regularização fundiária e transporte. Entre uma pergunta e outra, entretanto, os candidatos voltaram ao ataque. Agnelo disse que a aliança foi rompida com Rollemberg porque ele não cedeu a uma indicação do senador e afirmou que Pitiman não pediu para sair, mas foi demitido. As acusações motivaram pedidos de resposta, que foram acatados. No quinto bloco, os candidatos se despediram de forma cordata, se dirigindo diretamente aos eleitores.

Fonte: Por Érica Montenegro - Jornal Metro Brasília.

Antecipando os ataques 'Marina Silva'


Não querendo prejudicar a campanha da esposa, Fábio Vaz de Lima, marido de Marina Silva, que estava trabalhando no governo do petista Tião Viana no Acre, pediu exoneração.

Corre a boca pequena que a antecipação se deve ao fato de que Fábio seria alvo de petardos disparados para prejudicar Marina.

Mas na verdade, o que o marido de Marina Silva quer mesmo é dá liberdade para a candidata ao Palácio do Planalto criticar o Partido dos Trabalhadores sem passar por constrangimentos.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Desconstruindo o mito 'Marina Silva'


Não resta dúvidas que o PT vai tentar desconstruir Marina Silva. A estratégia é usar as redes sociais colocando a sertanista como de direita, retrógrada, que não chorou no velório de Eduardo Campos, que vai apoiar os evangélicos e esvaziar a Igreja Católica.

Os petistas apostam que o método vai dar certo e diante de um Aécio Neves debilitado pelas denúncias da construção de um aeroporto nas terras da família quando era governador de Minas Gerais, a presidente Dilma Rousseff vai se isolar na dianteira. Só que nesse jogo o governo é vidraça e o estilingue pode mudar de mãos.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Boataria eleitoral 'Marina Silva'


Para frear o crescimento de Marina Silva um exército de fakes vai para as redes sociais pregar que Marina vai impor terror nos empresários do agronegócio com suas manias ecológicas e que falta-lhe experiência administrativa para gerir um país continental como o Brasil. A ideia é gerar incertezas no eleitorado.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Caminho da Escola


O Programa Caminho da Escola, criado em 2007, já viabilizou a aquisição de 38.376 ônibus em todo o Brasil. No caso do DF, foram adquiridos 109 veículos. O uso dos ônibus é de responsabilidade de quem detém sua posse (estados, Distrito Federal ou municípios).

Qualquer pessoa poderá denunciar práticas irregulares ao Ministério Público. O telefone 0800 61 61 61 presta informações sobre qualquer assunto relacionado às ações do Ministério da Educação (MEC). A identificação do denunciante é uma exigência da lei, mas os dados são guardados em sigilo.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

TSE: escolhida a relatora do caso Arruda

 
Chegou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta quarta-feira (20), recurso do candidato ao governo do Distrito Federal pelo Partido da República (PR), José Roberto Arruda, contra decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE/DF) que barrou a candidatura do político.
 
 No dia 12 de agosto, a Corte Regional acatou o pedido feito pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) e outros, que entenderam que o ex-governador não poderia concorrer às eleições de outubro por ter sido condenado em segunda instância por crime de improbidade administrativa. Os desembargadores enquadraram Arruda na Lei da Ficha Limpa (LC nº 135/2010) por considerar que o candidato não tem os direitos políticos plenos e não atendeu aos requisitos de elegibilidade previstos. 
 
A defesa de Arruda interpôs o recurso contra a decisão dois dias após o julgamento pelo TRE-DF. O processo seguiu tramitação naquela Corte e, após isso, o presidente remeteu os autos ao TSE. A condição é prevista no art. 277 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/1965): “Interposto recurso ordinário contra decisão do Tribunal Regional, o presidente poderá, na própria petição, mandar abrir vista ao recorrido para que, no mesmo prazo, ofereça as suas razões. Juntadas as razões do recorrido, serão os autos remetidos ao Tribunal Superior”. 
 
O relator do processo no TSE é a Ministra Luciana Lóssio. 
 
Fonte: Informações TSE.

Agnelo e Toninho: o que será, que será...


Em 2010 foi assim e agora, em 2014, se repete. No debate da Associação Comercial do DF (ACDF) o candidato Toninho do Psol, não atacou o governador Agnelo Queiroz. Os ataques de Toninho sempre são direcionados a José Roberto Arruda. "O senhor não devia estar na disputa porque é ficha suja," sempre dispara Toninho em direção de Arruda. 
 
No debate da Band, ontem (19), não foi diferente, Toninho praticamente “trabalhou como um auxiliar” de Agnelo. Em momentos tensos do embate, ele se dirigiu a Rollemberg e a Pitiman e perguntou porque ambos saíram do governo do petista. "Os senhores precisam explicar porque saíram do governo de Agnelo", alfinetou.

Claro que o governador está adorando essa “ajuda” valiosa de Toninho. Quanto mais o candidato do Psol ataca Arruda, mais Agnelo respira. Enquanto isso, o governador que tenta a reeleição ficou livre leve e solto para atingir o seu alvo do momento: Rodrigo Rollemberg.

É bom Toninho do Psol dá uma olhada nas últimas pesquisas de opinião. Todas mostram a alta rejeição a Agnelo. Será que ele, Toninho, não concorda com a opinião da maioria dos eleitores do DF? Ou será que ele acha que vai tirar justo o líder das pesquisas de opinião (Arruda) do páreo e assumir o lugar dele? Ou será que ele acredita em Papai Noel? Ou será que ele está na disputa apenas para ficar mais conhecido? Ou será que ele prega a ética em suas ações, mas não exige o mesmo de Agnelo?

De tantos serás, deixo as ultimas três frases da bela “O que será (à flor da pele)”, do genial Chico Buarque, para alertar o nosso querido Toninho do Psol:

“...O que não tem vergonha, nem nunca terá

O que não tem governo, nem nunca terá

O que não tem juízo”

Fonte: Odir Ribeiro.

Bumerangue: bateu, levou


O debate na Band ocorrido na noite desta terça-feira (19) mostrou um verdadeiro show de comadres. A primeira dobradinha foi entre Toninho do Psol e Agnelo Queiroz. Outra dobradinha que ocorreu foi entre Luiz Pitiman e José Roberto Arruda. Os dois candidatos não se atacaram e só discutiram propostas. No evento, ficou a impressão nítida de que o próprio Arruda decidiu apoiar Pitiman de forma indireta. Parece que Pitiman está gostando do afago. Não sabemos o que ainda pode sair dessa dobradinha.

Um caminho está sendo apontado que em caso de segundo turno a tendência será que um apoie o outro. Este Arruda enxerga longe mesmo. Como dizem os antigos, quem quer pegar não faz xô! O mesmo conforto não tiveram o próprio Pitiman e Rollemberg, com relação a Agnelo. Resolveram “enquadrar” o antigo chefe. Que ousadia! Tomaram “na venta”, como se diz no interior.

O pior é que deram a Agnelo motivos para lhes dizer verdades constrangedoras em público. “onde você estava Rollemberg quando meu governo e o povo do DF precisou de você?” e “Foi até constrangedor, Pitiman, lhe demitir, pois você relutou e não queria sair. Por generosidade, botei em sua demissão “à pedido”, no lugar de “demitido”. Lhe demiti por incompetência. Foi só você sair e as obras começaram a acontecer no meu governo”. Isso que dá cuspir no prato que um dia comeu.

Fonte: Odir Ribeiro.

Sou a candidata da família militar das Forças Armadas 'Miriam Cristina Stein'

"MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS NÃO PODEM SE SINDICALIZAR E NEM FAZER GREVE, MAS NOSSAS FAMÍLIAS VOTAM E POR ISSO JÁ PASSOU DA HORA DE SERMOS TRATADOS COM RESPEITO E TERMOS UMA BANCADA FORTE QUE NOS REPRESENTE NO CONGRESSO NACIONAL". 

Miriam Cristina Stein - PRTB 2888


Fonte: Ascom da candidata a Deputada Federal Miriam Cristina Stein.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

O FAZ DE CONTA ELEITORAL por Celson Bianchi

Ao receber o convite para escrever na Revista Tendências e Negócios, o que muito me honrou, levei alguns dias para definir o que trazer à Você leitor, que não fosse a mesmice de falar que as eleições começaram, traçar o perfil dos candidatos, ou mesmo dar uma de pitonisa para registrar o possível vencedor.

Cá com os meus botões, achei que Você merecesse algo mais, Daí manter a mesma linha do que faço no programa de TV do mesmo nome – Tendências e Negócios – para tratar dos bastidores da corrida eleitoral e da incapacidade da fiscalização da justiça e do ministério público eleitoral em combater o caixa dois e o abuso de quem detêm a máquina eleitoral.

Sim porque em Brasília de 4 em 4 anos e no restante do Brasil a cada 2 anos, pois aqui não tem eleição municipal, nos vemos diante de um faz de conta. Não é à toa que na história descrita pelo Supremo Tribunal Federal em torno do mensalão recentemente julgado pela mais alta corte do país, a tentativa de fazer daquela dinheirama um mero caixa dois eleitoral foi por terra.

Evidente que a história se repete, e o que mais assusta é a incompetência de se coibir estas práticas, o que torna a eleição brasileira a segunda oficialmente, ou talvez a primeira no câmbio negro em todo mundo.

E porque será tão difícil de coibir estas práticas. Temos menos de um dezena de candidatos a presidência da República. O QUE SE REPETE EM QUANTITATIVOS NOS CANDIDATOS AO GOVERNO E AO SENADO. Um fiscal em cada comitê e atenção nas pessoas que circulam por lá, para se ter controle mínimo de material e pessoal contratado. Obrigar a apresentação dos contratos de marketing e propaganda, acabando com os Marcos Valérios, Dudas Mendonças e outros que ganham milhões, até com depósitos no estrangeiro. Baratearia o custo e impediria o calote, sim muitas vezes esta turma tem que receber na justiça. Exemplos não falta em partidos que estejam no governo e na oposição, que deixaram de pagar suas dívidas eleitorais. Pior então quando se perde a eleição. Quando se ganha a festa é com o nosso dinheiro.

Encontros com empresários tinham que ser registrados, tais como a agenda de pessoas públicas. As doações de pessoas jurídicas e de pessoas físicas acima de determinado valor informados em tempo real, até para que o eleitor saiba. Contratos de pessoal informados mensalmente e conferidos, tanto os recolhimentos fiscais, quanto o pagamento, com identificação das pessoas. Assim quem já trabalha não poderia se dar bem novamente com uma boquinha eleitoral. Fecharia a porta de profissionais de muitos setores contratados clandestinamente.

Um grande amigo, atento observador e antigo participante das arenas eleitorais pelo Brasil, me diz: “Basta acompanhar os majoritários, os com mandato, os que tem ligação com segmentos religiosos, os ligados a sindicatos e corporações, além dos que tem patrimônio acima da média nacional e já se terá um grande controle.” E qual a razão da justiça e do ministério público eleitoral não atentarem para isto? Esta é a pergunta que deixo para Vocês. Afinal basta ver na declaração de gasto dos candidatos e conferir como está o bloco dele na rua, para se ter a nítida noção do quanto tá rolando de dinheiro na campanha.

Numa eleição morna como esta nossa, onde o ziriguidum vai começar mesmo em agosto, seria pra lá de salutar que a disputa eleitoral desejada como limpa fosse também monitorada, com a competência de uma justiça eleitoral pra lá de cara e a determinação de quem quer deixar o faz de conta e deseja, pelo bem da democracia, levar um choque de realidade. Facim, facim, como diz minha filha. É só querer. Até a próxima, Celson Bianchi - A Voz da Verdade.

Fonte: A VOZ DA VERDADE - Por Celson Bianchi.

"Não duvides se somos capazes, dê-nos a missão".


Hoje ouvi um comentário que me deixou preocupado, mas, ao mesmo tempo alegre. Durante essa caminhada, conversamos com vários bombeiros, e percebemos que alguns ainda .falam que não votam em oficiais. Isso me preocupa, porque nossa corporação tem que se unir em prol de uma candidatura, e não, nos dividirmos por causa de questões de hierarquia. Mas, fiquei contente. Sim, e por que não, afinal, eu vi do quadro de praças, e hoje consegui chegar ao topo da minha carreira. Não podemos deixar que essas questões interfiram em nossa caminhada. Em 1985, ingressei nas fileiras do Corpo de Bombeiros como SBM/2, vindo a ser promovido a SBM/1 em 10/03/1986. Desde meu ingresso no Corpo de Bombeiros, planejei para chegar ao ápice do meu quadro, vindo a ter essa conquista em 25/12/2012 (quando fui promovido á Major). Portanto senhores, não está na hora de discutirmos em quem ou não votar, e sim, em nos unir e elegermos nosso representante na Câmara Federal.


A minha intenção com essa publicação, é mostrar que independente do local onde trabalhamos e fazemos nossa carreira profissional, sabemos que é difícil chegar ao topo, mas, deve ser o objetivo de todos aqueles que querem ascender na sua vida profissional. Por isso, além de amar essa profissão, tenho muito orgulho e me sinto realizado por ter ingressado em 1.985, ter passado 24 anos como praça e ter chegado ao oficialato em 2009. Eu só tenho a agradecer e me orgulhar, de tudo que consegui em minha vida, ter sido através dessa instituição maravilhosa e tão querida pela população. Assim, espero que, se Deus me permitir, possa está representando não só minha Instituição (CBMDF), como também a população do DF, na câmara federal.

Convido todos os bombeiros a visitarem nosso site: www.bombeiromelquiades.com.br Vamos nos unir em prol de uma campanha.

Vote certo. Vote consciente. Vote BOMBEIRO MELQUÍADES FEDERAL 2393.

Fonte: Ascom do candidato a Deputado Federal Bombeiro Melquíades.

Horário eleitoral gratuito: Agnelo Queiroz tem o dobro do tempo de Arruda e Rollemberg

Com candidatura ameaçada na Justiça, Arruda é o preferido nas pesquisas. O atual governador do DF, Agnelo Queiroz, terá mais tempo de rádio e TV: sete minutos e 58 segundos.

O atual governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz (PT), candidato à reeleição, é o que terá mais tempo de rádio e TV no horário eleitoral gratuito que começa nesta terça-feira (19): sete minutos e 58 segundos, em cada mídia. O montante é o dobro dos seus principais concorrentes: Arruda e Rollemberg. 

Ele faz parte da coligação “Respeito por Brasília”, formada por 16 partidos. Em seguida, vem Rodrigo Rollemberg (PSB), da coligação “Somos Todos Brasília”, que terá três minutos e 59 segundos para se apresentar. José Roberto Arruda (PR), que entrou na coligação “União e Força”, ficou com três minutos e seis segundos. Percilliane Marrara, do Partido da Causa Operária (PCO), garantiu um pequeno espaço de 1 minuto e seis segundos, referente ao tempo igualitário para todos. 

Para fazer a divisão, o TRE/DF (Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal), o tribunal utilizou o sistema informatizado desenvolvido pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Para os candidatos ao cargo de Governador, o tempo total igualitário para os partidos/coligações é de um minuto e seis segundos, para rádio e TV, que é somado ao tempo proporcional de cada partido e coligação.

Para Flávio Testa, cientista político e professor da Universidade de Brasília (UnB), os candidatos têm razão de buscar mais tempo de TV para fazer sua propaganda, já que é a mídia com maior impacto no eleitorado atualmente. Segundo ele, ainda não há uma avaliação objetiva sobre o impacto das redes sociais da internet no resultado das eleições, mas quase a totalidade dos partidos buscam mais tempo para fazer promessas e seu “jogo de sedução midiática”.

— Os candidatos fazem um jogo de sedução midiática e, provavelmente, a TV tem um impacto enorme. Ainda não temos hoje uma avaliação objetiva do impacto das redes sociais sobre o eleitorado, ainda não há como medir ao certo. Mas, eu acredito que haja cada vez mais tentativas de conquistar o eleitorado na internet.

Testa disse ainda que atualmente há “um conjunto de ações”, um verdadeiro esforço, para montar e desmontar a imagem dos políticos – o que é bem mais fácil nas redes sociais. Porém, ele não acredita que o impacto seja maior que o da televisão. Para o cientista político, as redes sociais hoje só conseguem “dissolver um pouco” a força da TV. Segundo o profissional, a expectativa nas Ciências Políticas é que a avaliação sobre o impacto das mídias sociais seja feita ainda neste ano e, a partir daí, será possível entender melhor esse fenômeno dos tempos modernos.

— Vamos avaliar, mas não creio que seja mais forte que a televisão ainda. Acredito que os partidos ainda vão buscar, por muito tempo, publicidade eleitoral na TV. É por isso que os partidos buscam alianças, é por isso que você vê o ex-presidente Lula beijando a mão do deputado federal Maluf - por um minuto de televisão.

Pesquisas

Se as eleições fossem hoje, o ex-governador José Roberto Arruda (PR) conseguiria 35% dos votos, ficando na frente de Agnelo Queiroz (PT), que tem 19%, e do senador Rodrigo Rollemberg (PSB), que tem 13%. Os números são da última pesquisa eleitoral divulgada pelo Datafolha nesta sexta-feira (15). Como a margem de erro da pesquisa é de quatro pontos percentuais, Agnelo e Rollemberg estão tecnicamente empatados. Toninho do PSOL aparece com 7% das intenções de voto, ficando na frente do tucano Luiz Pitiman, do PSDB (4%) e de Perci Marrara (PCO), que não chegou a 1% das intenções de voto.

Fonte: Por Myrcia Hessen - Portal R7/DF.

JN: William Bonner aperta Dilma sobre postura do PT e “presidenta” sai pela tangente


Disse aqui que era prematuro criticar William Bonner pela cobrança até agressiva das supostas contradições de Aécio Neves e Eduardo Campos. Alertei que a crítica era precipitada, pois Dilma ainda não havia sido entrevistada.

Pois bem: ontem foi seu dia, e Bonner demonstrou independência e coragem, ao apertar a “presidenta” nos minutos iniciais sobre questões éticas delicadas, as quais Dilma não tem como responder. Por isso mesmo fugiu pela tangente, como se pode ver aqui.

O que Dilma pensa sobre a postura oficial de seu próprio partido, que trata mensaleiros julgados, condenados e presos como vítimas, guerreiros injustiçados, heróis? Concorda ou discorda do PT? Não respondeu. Não pode se manifestar sobre outro poder, no caso o Judiciário.

Mas a pergunta não foi essa! Dado que houve a condenação pelo STF, cujos ministros ela mesma e o ex-presidente Lula apontaram na maioria dos casos, o que dizer sobre o infame ataque do PT ao Supremo para defender corruptos condenados? Silêncio.

Patrícia Poeta fez cara de paisagem ao lado do apresentador do JN, e sequer foi capaz de pressionar Dilma em relação aos pontos absurdos do programa Mais Médicos. Uma estátua faria papel semelhante. Bonner teve de retomar a palavra para cobrar de Dilma respostas sobre o evidente fracasso da economia, tema que não poderia ficar de fora da entrevista.

Dilma foi ficando visivelmente abatida, nervosa, incapaz de responder as questões levantadas. Compreende-se: seu papel é mesmo inglório, o de defender o indefensável. Chegou a afirmar que a inflação está em zero, usando o último dado disponível mensal, e ignorando que o índice acumulado em 12 meses está no topo da meta elevada do BC, de 6,5%, mesmo com vários preços represados pelo governo.

Foi um show de horror! Quando vemos uma presidente tão na defensiva, insegura, tergiversando desesperadamente para não ter de enfrentar seu péssimo legado, e depois lembramos que essa mesma presidente está liderando as pesquisas eleitorais, não há como evitar um enorme grau de perplexidade: o que está acontecendo com o Brasil?

Fonte: Coluna do Rodrigo Constantino.